"O justo é como árvore plantada à beira de águas correntes, perto da Fonte. Porque está plantado assim, ele dá fruto no tempo certo e suas folhas não murcham. Tudo o que faz prospera. Ele é teimosamente abençoado por Deus. A olhos vistos".

Divulgo, aqui no blog, algumas reflexões. Não são textos acabados e sempre estou aberto ao diálogo!

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

O bispo de Takamatsu suspende as atividades do Caminho Neocatecumenal em sua diocese

O bispo da diocese japonesa de Takamatsu decidiu suspender as atividades do Caminho Neocatecumenal em sua igreja local. Sem esperar a chegada do enviado papal ao Japão, que haverá de buscar uma solução para o conflito entre os bispos japoneses e o Caminho, o prelado escreveu uma carta pastoral explicando as razões de sua decisão. A mesma chega depois da divulgação da vontade de Bento XVI a favor da contuidade do Caminho no país asiático.

(InfoCatólica – Tradução: Fratres in Unum.com) Dom Osamu Mizobe ordenou aos membros do Caminho Neocatecumenal, na diocese de Takamatsu, que suspendam suas atividades. O prelado escreveu uma carta pastoral, publicada em Ucanews, na qual explica alguns detalhes da reunião que ocorreu em Roma em dezembro passado, na qual se abordou o conflito entre os bispos japoneses e o Caminho.

Dom Mizobe assegura que o problema com o Caminho Neocatecumenal não ocorre apenas no Japão. Neste sentido, recorda que a arqudiocese de Clifton, na Inglaterra, proibiu todas as atividades do Caminho e também assinala o fato que a Conferência dos bispos da Palestina publicou um documento pedindo ao Caminho que pratique um auto-controle de suas atividades.

Envio de delegado papal

Após a reunião em Roma, o Núncio do Papa no Japão manteve um encontro com o arcebispo de Tóquio e os bispos que estiveram no Vaticano. Então lhes comunicou que era bastante provável que um enviado especial do Santo Padre fosse mandado ao Japão. Até então, no entanto, segundo Dom Mizobe, chegou-se ao acordo de que, em relação às atividades do Caminho, cada bispo era livre para proceder como considerasse oportuno para sua diocese.

Segundo o bispo de Tamakatsu, na reunião de Roma, os prelados japonêses colocaram ênfase especial em que o conflito tem relação com as leis disciplinares das dioceses e, portanto, depende da jurisdição dos bispos das mesmas. Enfatizamos que o fato de que o Caminho Neocatecumenal tenha sido aprovado por Roma não implica automaticamente que uma diocese local deva aceitá-los”, explica Dom Mizobe. O prelado assegura que insistiram no fato de que a pessoa que melhor entende a situação de uma igreja local é seu bispo e que qualquer decisão que se queira tomar em Roma deve e começar com uma discussão com os bispos das igrejas locais.

O Papa esteve presente na reunião

Segundo Dom Mizobe, as opiniões dos cardeais presentes na reunião foram diversas, de modo que consideraram que a reunião foi mais uma expressão da opinião pessoal dos presentes na mesma do que uma discussão sobre o fundo da questão. Cabe destacar que um dos presentes foi o próprio Bento XVI.

O bispo de Takamatsu reconhece que ficou muito claro que a decisão da Conferência Episcopal do Japão de suspender as atividades do Caminho era um “grande problema para o Vaticano”. Ademais, assegura que o Papa Bento XVI disse que estava pensando positivamente sobre a possibilidade de enviar um delegado especial ao Japão.

Dom Mizobe garante não ter dúvida alguma de que o Papa enviará seu delegado a sua diocese, mas diz que tal envio é uma amostra de quão grande é o racha na diocese causado pela presença do Caminho Neocatecumenal.

O bispo termina sua carta comunicando sua diocese a respeito das atividades do Caminho em sua diocese:

Não é admissível a nenhuma organização ou movimento fazer o possível para impedir que o Bispo atue em sua diocese. É importante que todos nós nos encaremos seriamente os sucessos que se produziram em nossa diocese nos últimos 20 anos e continuam ocorrendo. Não é o momento para alguém dedicar somente aos interesses de seu grupo, mas, antes, hora de pensar em formas de servir a diocese. Em nossa diocese, reunida em torno de nosso bispo, encontramo-nos em um ponto crucial no caminho em direção a um “Renascimento e Unidade” autênticos.

A conclusão a que cheguei é que, até que tenhamos recebido os resultados da visita do enviado especial do Santo Padre, peço-lhes que suspendam todas as atividades do Caminho Neocatecumenal na diocese. A decisão foi aprovada tanto pelo Conselho Presbiteral como pelo Conselho Pastoral da diocese. Não é uma decisão que signifique que o diálogo acabou, mas, antes, uma oportunidade para que todos reflitamos.

Quando um processo se desvia, diz-se que é necessário voltar ao ponto de partida. Creio que “AGORA” é um bom momento para que voltemos ao ponto de partida. Esta decisão não significa que os membros do Caminho Neocatecumenal estejam excluídos das atividades da diocese. Também desejo que o povo da diocese participe ativamente no processo de três anos que começamos para revitalizar nossa diocese. Não há nenhuma pessoa desta diocese que possa estar isenta de participar neste processo.

(InfoCatólica - Frates in Unum)

Como já havia escrito anteriormente no blog, acredito que este é um problema sério que está apenas começando a aparecer. O que é bom para a Igreja Universal é automaticamente bom para a Igreja Particular e vice-versa? Qual é o limite da autoridade do bispo local? Qual o limite de interferência possível na Igreja Local da parte do Papa? Em que os Movimentos Eclesiais contribuem na caminhada de uma diocese enquanto tal? Qual a relação que deve haver entre estes dois organismos?

7 comentários:

Anônimo disse...

Ofereço minha profunda solidariedade ao Bispo do Japão.Quem conheceu e participou do caminho, sabe que tudo o que é argumentado é real.O Caminho é sectário, promove discórdias, não obedece o Bispo, tem vida financeira incerta e costumes próprios, modifica a estética tradicional da igreja e ainda utiliza-se de técnicas de lavagem cerebral..é coisa para o Ministério Público!!!!!Deveria o Santo Papa dar-se conta de que nada que consta no estatuto do Neocatecumenato aprovado, pela Santa Sé, é seguido na prática.

Robert, ccj disse...

Agradeço o seu comentário e acredito que é sim um assunto bastante interessante e amplo para discussão.
Também participei, em minha juventude, de uma comunidade do caminho. Não percebi estes erros (na minha realidade particular) vi, é claro, problemas inerentes à qualquer tipo de ajuntamento de pessoas. Conheci mais tarde muitos do Caminho e tomei conhecimento de muitas de suas realidades. Mas acredito que muitos dos erros que são imputados ao Caminho são causados, na verdade, pela ignorância (ou má-fé) de certas lideranças e não propriamente do Movimento em si.

Espaço Paulo D'Ávila disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Espaço Paulo D'Ávila disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Espaço Paulo D'Ávila disse...

Caro anônimo, uma critica identificada recebe maior credibilidade (se o autor do blog me permite o comentário).
Todos devemos e temos que ter obediência ao Bispo local, mas antes de qualquer coisa, ao sucessor de Pedro.
Os catecumenais devem sim aceitar a decisão do seu Bispo local, já que o mesmo não fere a comunhão com Roma a tomar esta decisão, muito embora, eu a ache lamentável, embora seja essa a minha opinião particular, e como tal, não deva passar disto.
Lembre-se meu caro anônimo, as igrejas evangélicas estão atrolhadas de pessoas que testemunham ter sido católicos e ter se livrado do engano no momento de sua "conversão" a tais igrejas! Provavelmente os mesmos nunca conheceram a fundo sua fé... pense nisto, não é época para divisões internas... somos membros de um único corpo que agora necessita de todos os seus membros.

Alex WM disse...

O Mais dificil é o seguinte.. primeiro o bispo posta problemas pessoais... outro fator é o fato de que o catolicismo no japão estava morrendo antes da chegada do caminho... milhares de jovens que se matam por ano por motivos futil... chega o caminho com "seus costumes" e faz que mais de 100 jovens virem seminarista.. isso irrita qualquer governo irresponsavel... A rebeldia é de tal tamanho que até os conselhos do santo padre foram deixado de lado... mas como dizem só se taca pau em arvore que tem fruto! Dou do Caminho e digo que o caminho obedecem seus bispo de forma clara. e esta renovando a igreja... dando mais um animo nesses ultimos dias... A paz a todos!!!....

Humberto Manhani disse...

O neocatecumenato é uma seita infiltrada dentro da igreja católica que lava o cérebro de seus fiéis.
As pessoas começam a se enxergar como pessoas melhores que as demais.
Meu filho participa do Neocatecumenato por influência de sua namorada. O que estou vendo é uma mudança radical com relação a convivência familiar, pois não somos do Neocatecumenato e ele já nos olha com um certo ar de superioridade. Estou me movendo para afastá-lo desses sectários.