"O justo é como árvore plantada à beira de águas correntes, perto da Fonte. Porque está plantado assim, ele dá fruto no tempo certo e suas folhas não murcham. Tudo o que faz prospera. Ele é teimosamente abençoado por Deus. A olhos vistos".

Divulgo, aqui no blog, algumas reflexões. Não são textos acabados e sempre estou aberto ao diálogo!

domingo, 3 de abril de 2011

04/04 - Santos e Bem-aventurados

São Benedito o Preto [San Fratello, Messina, 1526 – Palermo, 1589]. Descendente de escravos negros levadas para a ilha italiana da Sicília da África, entrou entre os eremitas de Girólamo di Lanza. Com a supressão da ordem em 1562, entrou entre os Frades Menores em Palermo, onde se tornou, também se não formalmente na ordem, guardião, superior e finalmente mestre dos noviços. Foi canonizado pelo papa Pio VII em 1807. É padroeiro da cidade italiana de Palermo deste 1652.

São Bernardo de Turon ou de Abbeville (Abbeville, França, 1046 – Tiron, Perche, 1117). Beneditino, reformador, abade de são Cipriano de Poitiers, centro-oeste da França, dedicou-se por algum tempo à vida eremítica. Fundou em Tiron a abadia da Santíssima Trindade que teve grande importância por seu ensino escolar.

São Caetano Catanoso
Caetano nasceu em Chorio de San Lorenzo, Itália, no dia 14 de fevereiro de 1879, numa família profundamente cristã. Com a idade de 10 anos, sentindo a vocação ao sacerdócio, entrou no Seminário Arquiepiscopal de Régio. Foi ordenado sacerdote em 20 de setembro de 1902. Naquele momento, manifestou publicamente o seu desejo de ser um ministro de Cristo digno, fervoroso e incansável.
Em 1904, foi nomeado pároco de Pentidattilo, uma vila onde existia somente a pobreza, o analfabetismo e a ignorância religiosa, e as pessoas viviam no silêncio o drama da marginalização e da prepotência. Dedicou-se inteiramente à missão de pastor, compartilhando com todos as privações, as angústias, as alegrias e as dores do seu povo.
O povo identificou nele o carisma da paternidade e espontaneamente começaram a chamá-lo de "pai", o que qualificava a sua personalidade sacerdotal e pastoral. Foi apaixonado pela devoção à Sagrada Face sofredora do Senhor e abraçou a missão de defender o culto da mesma entre seu povo. Foi diretor espiritual do seminário diocesano, capelão dos hospitais reunidos e confessor em vários institutos religiosos.
Em 1934, fundou a Congregação das Irmãs Verônicas da Sagrada Face, aprovada canonicamente em 1953.
Morreu santamente em 4 de abril de 1963, em Régio Calábria, na Casa Matriz da Congregação que ele tinha fundado. Hoje, a sua vida doada produz muitos frutos. Foi proclamado santo pelo papa Bento XVI no dia 23 de outubro de 2005.

Santo Isidoro de Sevilha, arcebispo espanhol e doutor da Igreja (Cartagena, 560 – Sevilha, 636). De ilustre família hispano-romana, sucedeu ao irmão Leandro como arcebispo de Sevilha no ano 600. Trabalhou com ardor e entusiasmo na conversão dos Visigodos arianos e teve um papel importante nos concílios provinciais e nacionais. Convocou dois sínodos em Sevilha (619 e 625) e presidiu o 4º concílio de Toledo, que unificou a disciplina litúrgica na Espanha e na Gália narbonense (atual sudoeste da França). Personalidade de destaca da Igreja ocidental entre os séculos VI e VII, Isidoro era considerado pelos seus contemporâneos o maior erudito do tempo. As suasEtymologiae, em vinte livros, são uma verdadeira enciclopédia, que foi muito utilizada nos séculos sucessivos. No plano doutrinal lhe falta originalidade, mas realizou um compêndio de toda a tradição católica. O papa Inocêncio XIII o proclamou doutor da Igreja em 1722.


Santos Agatopodo e Teodulo, mártires, Tessalônica (atual Salonico, Grécia), + 302

São Pedro de Poitiers (França), bispo, + 1115

São Platão, abade na Bitínia (atual Turquia), Constantinopla, 740 – Studion, 04 de abril de 814



Bem-aventurado Francisco Marto
Francisco Marto nasceu em Aljustrel, aldeia de Fátima, na diocese de Leiria-Fátima, Portugal, no dia 11 de junho de 1908. Ainda pequeno acompanhou, com sua irmã Jacinta e sua prima Lúcia, também crianças, as aparições de Fátima, onde aprendeu a conhecer e a louvar a Deus e à Virgem Maria.
Em 13 de maio de 1917, enquanto pastoreavam o rebanho, eles tiveram a graça singular de ver a Santíssima Mãe de Deus, que, por desígnio divino, veio à procura dos pequeninos privilegiados do Pai na Cova da Iria. Fala-lhes com voz e coração de mãe e convida-os a rezarem pelos pecadores e pela conversão da humanidade. Foi então que das suas mãos maternas saiu uma luz que os penetrou intimamente, sentindo-se imersos em Deus. Mais tarde, Francisco, um dos três privilegiados, exclamava: "Nós estávamos a arder naquela luz que é Deus e não nos queimávamos".
A Francisco, o que mais o impressionava e absorvia era Deus naquela luz imensa que penetrara no íntimo dos três. Só a ele, porém, Deus se dera a conhecer, tão triste, como Francisco dizia.
A vida de Francisco e das meninas sofre uma transformação radical; certamente não comum para suas idades. Entregam-se a uma vida espiritual intensa, em oração assídua e fervorosa, chegando a uma verdadeira comunhão com o Senhor. Caminham para uma progressiva purificação do espírito através da renúncia aos próprios gostos e até às brincadeiras inocentes de criança.
Mas os dois irmãos, Jacinta e Francisco, contraem pneumonia e são obrigados a permanecer de cama. Nessa ocasião, receberam, novamente, a visita da Virgem Maria, que avisa Jacinta que virá buscar Francisco muito em breve. Ele, não suportando os grandes sofrimentos da doença, morreu no dia 4 de abril de 1919. Tudo lhe parecia pouco para consolar Jesus, por isso morreu com um sorriso nos lábios.
Francisco tinha um profundo desejo de reparar as ofensas dos pecadores, esforçando-se por ser bom e oferecendo sacrifícios e oração. Ele foi enterrado no cemitério de Fátima e, em 1952, foi transferido para a basílica do santuário. No dia 13 de maio de 2001, dia em que se comemora o dia de Nossa Senhora de Fátima, o papa João Paulo II, em visita a Portugal, esteve no Santuário de Fátima para beatificar Francisco Marto, cuja festa determinou para o dia de sua morte. Na cerimônia estava presente irmã Lúcia de Jesus, a prima vidente, morta 13 de fevereiro de 2005.


Bem-aventurada Aleta, mãe de São Bernardo de Claraval, Borgonha (França) séc. XI - XII

Bem-aventurado José Bento Dusmet, bispo, Palermo (ilha da Sicília, Itália), 15 de agosto de 1818 – Catânia (ilha da Sicília, Itália), 04 de abril de 1894

Bem-aventurado Guilherme de Noto (ilha da Sicília, Itália), eremita, Noto (Siracusa), 1309 - Scicli (Ragusa), 04 de abril de 1404

Bem-aventurado Tomás de Nápoles (sul da Itália), mercedário, + Montpellier, França, 1540

2 comentários:

Ordem dos Clérigos Regulares de São Paulo (Barnabitas) disse...

Parabéns pelo seu blog, muito legal ele.
Vou ser seguidor.
Entre no nosso blog vocacional e nos visite tb, www.vocacionalbarnabita.blogspot.com
se vc puder ser seguidor tb ficaremos muito grato.
Abraço fraterno.

Robert, ccj disse...

valeu pelo comentário!
Espero estar contribuindo para a construção do Reino!

Volte sempre!

Abraços fraternos!